Pages

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

segunda-feira, 24 de junho de 2013

A Lei do Amor

O Evangelista João escreveu, no seu texto, que Deus é amor e que amou o mundo de tal modo que mandou  Seu filho para que todos aqueles que no Seu filho cressem, nunca mais perdessem a vida, nunca mais perecessem. É muito importante pensarmos nisto. Deus é amor mas, muitas vezes, aprendemos a dizer essas frases e passamos a repeti-las mecanicamente. Poucas vezes nos damos o trabalho de nos deter no que é que esses textos significam, o que é que essas almas de escol, essas almas luminosas, que chegaram à Terra, desejaram nos dizer com o que disseram.
É a partir daí que verificamos que o amor é a essência da vida. Nada do que existe, nada do que existirá, em termos de vida planetária, em termos de vida cósmica, poderá ocorrer sem o amor. De fato, o amor é a alma da vida. Do mesmo modo que não conseguimos sobreviver no corpo físico sem o oxigênio, sem a respiração, sem a nutrição, não conseguimos viver animicamente, não encontramos saúde da alma fora das dimensões do amor. É tão importante amar que o Evangelista estabeleceu que Deus não é alguém que ama, mas que Deus é amor.
Quando pensamos em Deus, pensamos no amor. Mas, o amor se manifesta de multiplicadas formas. Dentro dos hábitos corriqueiros do mundo, pensamos no amor como relacionamento conjugal, fraternal, afetivo. Amor é a alma da vida. Alguém que plante uma árvore, que atire sementes ao solo, se não fizer isso com amor, isso míngua, se atrofia, a planta se estiola.
A mãe de família que cozinha, que serve a mesa, que lava, que passa, que atende a prole e ao marido, se não fizer isso com amor, terá ácido nas suas mãos e fogo no seu olhar. Há que se ter amor para aguentar essa vida doméstica de todos os dias fazer-se as mesmas coisas.
É por causa disso que pensamos nessa magia do amor, que é Deus. Como o amor permeia as nossas realizações, as nossas relações, não nos custa verificar como é que nós nos encontramos, como é que nos temos encontrado relativamente a essa virtude. Quase sempre estamos aborrecidos com alguém, com algo, com a vida, com a política, com a economia, com os gastos, com a família, com os amigos. Poucas vezes nos abrimos para deixar o amor entrar em nós. No Evangelho segundo o Espiritismo, o Espírito Lázaro, um dos notáveis escritores da obra da Codificação Espírita, escreveu num de seus capítulos: Quando Jesus enunciou a Divina palavra amor, os povos estremeceram e os mártires, embriagados de esperança, desceram aos circos.
Somente a força do amor nos dá coragem. Quando um pai toma do seu filho doente e leva-o ao hospital, deixa-o ser submetido a intervenções cirúrgicas, é por amor. Senão o filho morre, senão fica aleijado, senão se acaba. Diante de alguém que nos agride, que nos ofende e silenciamos por minuto, tem que ser por amor para que não avancemos como se fôssemos uma fera, sobre aqueles que nos dizem o que não gostaríamos de ouvir. O amor é realmente a alma da vida. Não conseguimos nos imaginar fora da proteção do amor de pai, de mãe, de familiares. Não conseguimos imaginar-nos na Terra distanciados do amor de Deus que nos manda as primaveras, os outonos, os invernos, os verões, a cada ano, repetindo, em nome do amor, as quatro estações porque em cada uma delas retiramos o de que necessitamos para a nossa vida planetária. Só o amor de Deus.
*   *   *
Se não for por Deus, não conseguimos respirar. É esse Criador que acende todas as noites as estrelas, sem cansaço. Todos os dias nos dá a estrela solar, mesmo quando não a vemos nitidamente no céu nublado, é a claridade do sol filtrada através das nuvens densas.
Deus é amor. Mas vale recordar de que Jesus Cristo nos disse: Amai-vos uns aos outros tanto quanto vos tenho eu amado.Complicado imaginar que se possa amar como Jesus Cristo nos amou. No entanto, se essa foi uma proposta dEle, Ele sabia que precisaríamos realizar exercícios de amor. O amor não nos chega de repente, não brota em nós de repente. O que brota em nós de repente é a paixão, é o desejo.
O amor é fruto do tempo, das experiências, da convivência com coisas, com seres. Vamos aprendendo a ter esse olhar de profundidade para tudo, para as coisas e para as  pessoas. É a partir daí que nasce o amor.
Alguém dirá: Eu amo o que eu faço. Não foi no primeiro dia. Possivelmente, no primeiro dia, tenha sido a coisa mais horrenda do mundo, mais perturbadora. Mas, à continuidade, passamos a tomar afeto por aquilo que fazemos. É o tempo que consagra o amor.
Amai-vos uns aos outros tanto quanto Eu vos tenho amado. Em outra ocasião, ainda nos disse o Mestre: Os meus discípulos serão reconhecidos por muito sem amarem. Que coisa importante ser discípulos de Cristo, identificados pela nossa capacidade de amar.
É tempo de começarmos a refletir a respeito do amor na Terra, que não se trata de abraços, beijinhos, afagos. Essa é uma dimensão do amor, do afeto conjugal, do amor fraternal. O amor é muito mais amplo. Se é o próprio Deus, abarca toda a Natureza.
Alguém que esteja na defesa das causas ecológicas, ama. Alguém que esteja na luta pelos direitos verdadeiros da Humanidade, nos direitos humanos, é porque ama. Alguém que quer defender as nossas camadas de ozônio para que o homem da Terra não adoeça, não se acabe de cânceres de pele, é porque ama. O cientista, que se interna num laboratório e se esquece, buscando vacinas, remédios, produtos que facilitem a vida da Humanidade terrestre, é porque ama.
A fonoaudióloga que, junto ao tartamudo, ao tatibitati, ao gago, à criança que sofreu traumas, realiza, diariamente, as mesmas lições, as mesmas terapias, sem imaginar quando terá sucesso... só amando. O fisioterapeuta, que toma da criança doente, do velho, do adulto, da pessoa que necessita dos seus préstimos e, sem saber quando terá êxito, trabalha, orienta, manipula com suas mãos luminosas, com os fluidos que saem de suas mãos, até conseguir bons resultados, é porque ama.
Daí, o amor permear todas as nossas ações. Para que sejam ações positivas, para que sejam ações do bem têm que estar nutridas pelo amor. É por causa disto que o Apóstolo Simão Pedro escreveu, numa de suas epístolas, que o amor e só o amor é capaz de cobrir multidões de pecados.
Diante de todos os nossos equívocos humanos, de nossos erros, de nossos agravos é por causa do amor que o Criador nos permite voltar à Terra, recomeçar experiências, retomar contatos, reestruturando, pouco a pouco, para esse dia sem ocaso que nos espera, para esse dia de intensa e inapagável luz.
É pelo amor e somente pelo amor que estamos hoje no mundo, ainda que estourem bombas, ainda que haja palavras de impropérios aqui e ali, ainda que haja maus homens, enfermas criaturas. Nada disso ocorre sem que o amor de Deus esteja sobrepairando e mesmo do mal que a criatura humana intenta realizar, no auge de sua enfermidade moral, Deus retira o bem para que ela tenha algum mérito e para que todos possamos ser felizes porque Deus é amor. Nunca esqueçamos disso. 

 Transcrição do Programa Vida e Valores, de número 196, apresentado por Raul Teixeira, sob coordenação da Federação Espírita do Paraná.

0 comentários: