Pages

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Influência Espiritual


Algo que poucas vezes paramos para pensar é no poder do nosso pensamento. O poder do nosso pensamento é algo tão especial, que podemos dizer, sem medo de errar, que o pensamento é a força mais poderosa que temos no mundo. Não existe força nuclear, força eletromagnética, força de atração gravitacional que resista ao poder do pensamento.
Todos sabemos que os nossos pensamentos são forjados em ondas. A psicologia formal estabeleceu, pela década de 1950 do século XX, que os pensamentos humanos são de características eletromagnéticas e por causa disso, temos que convir que o pensamento humano ingere em tudo que seja elétrico, em tudo que seja magnético.
Aí, pensemos. O que é que existe, neste mundo, que não tenha características elétricas? Porque tudo é composto de átomos e os átomos são compostos de elétrons, com seus prótons, com seus nêutrons.É desse modo que vemos que, em todas as coisas, existirá a possibilidade de que a mente eletromagnética, os pensamentos eletromagnéticos interajam com tudo quanto existe.
Desse modo, passamos a perceber a força dos nossos pensamentos. Por causa disso, todos nós, seres humanos, temos a nossa capacidade de influenciar aquele, aquela pessoa e de influenciar a nós mesmos. Do mesmo modo as pessoas têm o poder de nos influenciar.
Vejamos como somos influenciados por artistas, por desportistas, por políticos, por vizinhos, por amigos, por inimigos. Uma palavra que a pessoa nos diga, uma mensagem que a pessoa nos passe, uma música que nos cante, uma jogada especial, faz com que nós passemos a lhe devotar uma atenção e a nos submeter ao império de seu pensamento.
E, muitas vezes, esses indivíduos nem sabem que existimos, mas nós os apreciamos de longe e nos deixamos render por seus pensamentos.
Ora, do mesmo modo que isso ocorre aqui no mundo, onde estamos no corpo físico, realizando a peripécia da existência, isso ocorre também entre nós e aqueles que já saíram do corpo físico. Aqueles que são chamados seres espirituais, almas do outro mundo, ou simplesmente Espíritos. Alguns chamam, os mortos.
Como é que essa relação pode se dar? O que se passa é que, tanto quanto nós, os desencarnados, os mortos, também emitem pensamentos. Eles também pensam, eles também carregam a sua mente. Graças a isso se estabelecem esses vínculos entre nós e eles, entre eles e nós.
De acordo com as coisas que falamos, que pensamos, que gostamos na vida, entramos na sintonia dessas criaturas espirituais, e essa sintonia significa um processo de aproximação.
Sin, do grego, significa aproximar-se, e nos aproximamos psiquicamente um do outro. Tornamo-nos pessoas simpáticas e, desse modo, passa a haver uma interferência de um sobre o outro.
Se nós, pelos nossos atos, pensamentos, pelo nosso tipo de vida, nos tornarmos simpáticos a Espíritos nobres, a criaturas nobres do mundo invisível, melhor para nós, porque comumente são eles que nos dirigem.
Mas, se nos tornamos simpáticos a Espíritos negativos, viciosos, atormentadores, não tenhamos dúvidas de que a nossa vida será muito amarga, porque de ordinário são eles que nos dirigem, os seres espirituais.Passamos a lhes prestar obediência, em função do estilo de vida que adotamos e, por causa disso, vale a pena pensar na influência que os Espíritos podem impor ou realizar sobre nossas vidas.
A verdade é que eles nos influenciam. Se forem Espíritos do bem, nos influenciarão para o bem, para o amor, para a paz, para a alegria de viver, de crescer, de progredir. Se são entidades nefastas, Espíritos invejosos como aqueles que há entre nós na Terra, a nossa vida estará em palpos de aranha, porque essas entidades não nos deixarão avançar, segurarão o nosso ritmo e nos perturbarão demasiadamente.

                                                                         * * *
Uma vez que permitamos que esses Espíritos perturbem a nossa vida, estaremos em suas mãos, porque somos nós os que lhes abrimos as portas. Afinal de contas, esse processo de sintonia, esse processo de simpatia, não ocorre em função de nós acreditarmos em Espíritos. Há muita gente que desacredita em Espíritos, mas nem por isso impede que eles se aproximem.
O fato de um cego de nascença não admitir a existência do sol, não faz com que o sol deixe de existir. Então, não importa se o indivíduo é descrente das questões espirituais, se é ateu ou materialista. O fato é que as suas atitudes chamam para sua convivência mental seres da mesma índole, seres negativos que queiram tirar proveito dessa incoerência, dessa ingenuidade, dessa pirraça mental.
Do mesmo modo que as atitudes probas, as atitudes dignas, as atitudes nobres facultam a aparição de seres espirituais notáveis, o acercamento, a aproximação de entidades espirituais de alto nível, que estarão investindo em nossas possibilidades melhores.
Alguém perguntará: Mas onde é que está o nosso anjo guardião? Será que o nosso anjo guardião, o nosso guia espiritual, não inibiria essa ação nefasta de entidades perturbadoras?
Seria a mesma pergunta feita aqui na Terra para pais de drogaditos, pais e mães de prostituídos, pais e mães de criaturas criminosas. Onde é que estão esses pais?
É que os pais respeitam o livre arbítrio dos filhos e, chega um ponto que esses pais não podem fazer mais nada, diante da liberdade que seus filhos têm de agir.
Os nossos anjos guardiães nos inspiram para o bem, nos propõem coisas para o bem, mas eles não podem viver a nossa experiência, eles não podem viver no nosso lugar.
É muito comum que, aqui na Terra, creditemos às pessoas determinadas ações que são nossas, atribuamos a terceiros determinadas reações que são nossas.
É muito comum que vejamos jovens mal direcionados e digamos que isso é culpa dos seus amigos, dos maus colegas.Vemos homens, pais de família que trilharam rotas ínvias, incertas, negativas, que aderiram ao alcoolismo, e é comum que esposas, que familiares digam que foi por causa dos maus amigos, dos maus colegas, dos maus companheiros.
Mas, é sempre válido perguntarmos: Essas criaturas tão boas, tão especiais, nosso filho, esposo, esposa, amigo, por que é que resolveram seguir os maus colegas, os maus companheiros? Por que resolveram usar os maus exemplos?
É porque eles não eram tão bons como nós imaginávamos, ou eram bons e frágeis, incapazes de dizer não, onde seria necessário dizer-se não.
No mundo em que vivemos, vale a pena termos essa possibilidade de dizer sim e de dizer não.
A sugestão para o erro, para o mal, para a sombra, quando atendida, o problema já não é mais do sugestionador. Nós aceitamos, o problema é nosso.
Também quando os bons Espíritos nos convidam ao bem, à prática do amor, à vivência da paz e nós aceitamos, o nosso discernimento nos mandou aceitar, já somos nós, não é mais o benfeitor, nós aceitamos a sua sugestão.
Então essa boa realização está sob nossa responsabilidade. É por isso que aqui na Terra costumamos dizer assim: Dize-me com quem andas e eu te direi quem és.
É um ditado muito conhecido, mas os Espíritos utilizam-no de forma reversa, eles costumam dizer para nós: Dize-me quem és e eu te direi com quem andas.
Porque, pela nossa maneira de ser, atraímos entidades positivas ou entidades negativas para nossa convivência psíquica.
De uma coisa não podemos duvidar. Na Terra, todos sofremos influenciação espiritual, todos nós. Porque eles podem influenciar em nossos pensamentos e em nossos atos, na pauta de nossas vidas, porque comumente são eles que nos dirigem.
Se quisermos ser dirigidos por nobres criaturas, por Espíritos do bem, por verdadeiros anjos luminosos, basta nos ajustarmos a uma vida digna e nobre, apesar de todas as lutas, mas a busca para Deus, a busca para viver as lições de Deus, amando o próximo e tendo nosso Pai amado acima de todas as coisas.

Transcrição do Programa Vida e Valores, de número 132, apresentado por Raul Teixeira, sob coordenação da Federação Espírita do Paraná.

0 comentários: