Pages

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Somente Os Fortes São Humildes

Há conveniência, na formação da juventude, de uma educação compatível com as necessidades do mundo atual, a fim de que cada jovem possa estar, quando tiver de, sozinho, enfrentar as asperezas da vida, perfeitamente apto a resistir e vencer os obstáculos que se lhe apresentarem. Portanto, nada mais errado que incutir no espírito da criança idéias que a tornarão tímida, vacilante, medrosa, sem capacidade para se defender dignamente e triunfar na luta competitiva que a vida externa exige.
Vem a pelo a palavra humildade. Em seu sentido estritamente etimológico, humilde provém de HUMUS - rente com a terra. Entretanto, muitos interpretam o vocábulo como sinônimo de baixeza, servilismo, falta de brio, ausência de dignidade pessoal, etc. Ora, é claro que Jesus jamais desejaria que um cristão se tornasse sem dignidade e fosse capaz de rebaixar a condição humana, tornando-se servil. É preciso, portanto, que se entenda humildade e humilde como a condição da pessoa modesta, sóbria, recatada, discreta, moderada nas atitudes e nas palavras. Nunca, porém, como baixo de caráter, sem dignidade, moralmente rasteiro.
Humilde é antônimo de arrogante, presunçoso, parlapatão, agressivo, intrometido, insolente, orgulhoso e atrevido. Humilde é aquele que sabe calar, quando poderia gritar; que sabe tolerar e suportar com grandeza de ânimo o excesso alheio, para depois, serenamente, restabelecer a normalidade de uma situação. É aquele que compreende a superioridade da calma sobre a irritação, a ascendência da tolerância sobre a intolerância, o valor da modéstia sobre a insolência, a coragem da paciência sobre a irritação, a elevação do comportamento ponderado sobre a atuação agressiva.
O espírita deve ser calmo, ponderado, tolerante, discreto, mostrando resignação ante o irremediável e renúncia voluntária, mesmo em face de um direito líquido e irrefutável. Não se pede que o espírita se transforme num "robot", que se torne um peso morto, sem vontade, sem noção dos direitos elementares dos cidadãos de uma comunidade qualquer, que se deixe espezinhar passivamente, sem qualquer reação digna, dentro dos princípios doutrinários, porque, então, seria um elemento inútil à sociedade a que pertence, com o qual jamais seria possível contar nos empreendimentos que demandam energia, trabalho ativo, coragem e decisão. 
Coração Forte na Humildade
A criança deve, pois, ser educada, não para se tornar desde cedo um vencido, mas que conheça os meios de se afirmar futuramente um vencedor de si mesmo e dos óbices que a vida lhe oferecer, sem, contudo, tentar vitórias ou benefícios à custa do sacrifício de seus semelhantes, sem prevalecer sobre os mais fracos, os mais insuficientes, os mais desajustados e desfavorecidos. Dentro do Evangelho, o espírita pode ser sempre vencedor, porque a humildade, tal como a devemos compreender e praticar, é atributo apenas das criaturas realmente fortes, porque somente os fortes são capazes de suportar com coragem e grandeza dalma, sem perderem a cabeça, sem se deixarem arrastar pelo desvario, pelas seduções e provocações deste mundo materializado e corrompido pelo egoísmo.
Sejamos humildes, mas não servis, porque a dignidade humana real, consoante com o respeito devido ao próximo, é condição "sine qua non" para a conservação da vida familial e social no mundo. E o Evangelho não forma tíbios nem covardes. Pelo contrário, os primitivos cristãos, embora humildes, foram audazes, empreendedores e bravos, como, por exemplo, Paulo, Pedro, Estêvão e outros heróis da verdadeira Humildade

Indalício Mendes

4 comentários:

Luís Coelho disse...

Concordo plenamente que a humildade é um caminho e uma caminhada.
Não precisamos de nos colocar em bicos dos pés para nos ouvirem.
Precisamos de nos afirmar pela verdade e com razão.

Janilton disse...

Oi Luís!

Um sábio caminho e uma caminhada cheia de oportunidades para sermos livres e salvos.
O coração humilde é livre, não se prende ao orgulho e nem a vaidade.
Jesus pouco antes da sua morte lavou os pés dos apóstolos para as suas purificações. Que maravilha! A humildade de Jesus os salvou. Com certeza naquele instante Jesus não cogitou que estara se humilhando diante dos apóstolos, porque ele tem o verdadeiro sentimento de humildade, que é mais sublime que o orgulho.
E Jesus é o caminho, a verdade e a vida.

Sandra Campos disse...

Ótima matéria Janilton. Somente com amor e humildade é que possarmos vencer assim como Jesus venceu. Bjs.

Janilton disse...

É verdade Sandra. Obrigado pelas visitas e postar seus comentários.

Abração!