Pages

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

domingo, 10 de julho de 2011

Personalidades Parasitas

Na psicopatologia das personalidades múltiplas ou anômalas não podemos descartar a realidade espiritual do próprio paciente.
Espirito eterno, herdeiro das ações transatas, ei-lo que marcha mediante as etapas reencarnacionistas, acumulando experiências e somatizando problemas que, a contributo do amor - na realização edificante ou na dor, expungindo delitos - alcança a plenitude da sua realidade: a destinação feliz para a qual foi criado.
Evidentemente, os conflitos e traumas da infância, que dão origem às personificações parasitárias, são de relevância em tal problemática. Mesmo aí defrontamos, no lar difícil, nas agressões da família, nos vários distúrbios domésticos, a mão da justiça infalível estabelecendo os mecanismos corretivos para o infrator libertar-se dos débitos, sob a injunção de fugas espetaculares, as quais dão surgimento às construções de variantes personagens que assomam do inconsciente, em processos de defesa do ser frágil e tímido, aflito e receoso...
Bem sabemos que as agressões da brutalidade contra a criança, da violência sexual, do temor sistemático, geram conflitos e aspirações libertáveis que, na impossibilidade de agir com a energia própria, dão nascimento a entidades que assomam, dominando o inconsciente e realizando-se, além das conjunturas impiedosas dessas frustrações de impotência moral, econômica ou psíquica.

A criança é mais do que um ser em formação. Trata-se de um universo individualizado, um somatório de valores que aos pais e educadores cabe penetrar para bem desenvolver e conduzir.
O pavor que se lhe insufle, o desamor de que se sente objeto, as ofensas não digeridas que sempre lhe são atiradas como calhaus e chuvas de humilhação, terminam por produzir tormentos asfixiantes, dando-lhe gênese aos seres que a dominarão ao largo dos tempos, tornando-a venal fingida ou igualmente violenta, rebelde, desagregada ...
Somente o amor possui os ingredientes de correção destes equipamentos do inconsciente, geradores dos distúrbios alienadores da pessoa.
A terapia especializada, ao largo dos anos, consegue integrar as diversas personificações na identidade do eu consciente, libertando o paciente da perturbadora situação.
Vezes, porém, ocorrem, nas quais, além elas personificações construídas pelo inconsciente, predominam Entidades conscientes de outra dimensão, que obsidiam e atormentam aqueles a quem odeiam ou supõem lhes devam compreensão e amor.
A psicoterapia dos passes, da renovação moral do paciente e do esclarecimento da personalidade subjugadora consegue liberar a vitima, que deverá passar a envidar esforços para conquistar um elenco de recursos morais, nos quais estejam luzindo a caridade e a compaixão.
A obsessão sutil e perigosa grassa dominadora e, na área das enfermidades mentais de todo porte, o doente é sempre o réu na consciência culpada, reparando os gravames das vidas passadas e erigindo a sua realidade moral, com a qual o pensamento e a ação se conjugam para a elevação e a saúde real, que somente são possíveis através da consciência asserenada, sem culpa nem rebeldia. 
Manoel Philomeno de Miranda

0 comentários: