Pages

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Família

ANTE A FAMÍLIA MAIOR
Se podes transportar as dificuldades que te afligem num corpo robusto e razoavelmente nutrido, reflete naqueles nossos irmãos da família maior que a penúria vergasta.
Diante deles, não permitas que considerações de natureza inferior te cerrem as portas do sentimento.
Se algo possuis para dar, não atrases a obra do bem e nem te baseies nas aparências para sonegar-lhes cooperação.
Aceitemo-los como sendo tutores paternais ou filhos inesquecíveis largados no mar alto da experiência terrestre e que a maré da provação nos devolve, qual se fôssemos para eles o cais da esperança.
Muitos chegam agressivos; entretanto, não julgues sejam eles especuladores da violência. Impacientaram-se na expectativa de um socorro que se lhes afigurava impossível e deixaram que a desesperação os enceguecesse. 
Outros se apresentam marcados por hábitos lastimáveis; todavia, não admitas estejam na posição de escravos irresgatáveis do vício. Atravessaram longas trilhas de sombra, e, desenganados quanto à chegada de alguém que lhes fizesse luz no caminho, tombaram desprevenidos nos precipícios da margem.
Surpreendemos os que aparecem exteriormente bem-postos e aqueles que dão a idéia, de criaturas destituídas de qualquer noção de higiene, mas não creias, por isso, vivam acomodados à impostura e ao relaxamento. Um a um, carregam desdita e enfermidade, tristeza e desilusão.
Não duvidamos de que existam, em alguns raros deles, orgulho e sovinice; no entanto, isso nunca sucede no tamanho e na extensão da avareza e da vaidade que se ocultam em nós, os companheiros indicados a estender-lhes as mãos.
Se rogam auxílio, não poderiam ostentar maior credencial de necessidade que a dor de pedir. 
Sobretudo, convém acrescentar que nenhum deles espera possamos resolver-lhes todos os problemas cruciais do destino. Solicitam somente essa ou aquela migalha de amor, à feição do peregrino sedento que suplica um copo dágua para ganhar energia e seguir adiante.
Esse pede uma frase de bênção, aquele um sorriso de apoio, outro mendiga um gesto de brandura ou um pedaço de pão ...
Abençoa-os e faze, em favor deles, quanto possas, sem te esqueceres de que o Eterno Amigo nos segue os passos, em divino silêncio, após haver dito a cada um de nós, na acústica dos séculos:
-"EM VERDADE, TUDO AQUILO QUE FIZERDES AO MENOR DOS PEQUENINOS É A MIM QUE O FIZESTES"

EMMANUEL/ANDRÉ LUIZ

7 comentários:

Lilian disse...

Olá querido amigo Janilton,

O texto que publicou é muito lindo e mexe com o coração de qualquer pessoa.

É tão bom poder ajudar quem precisa, sem interesse algum, a não ser o de permitir que o próximo receba algo de que necessita. Como diz no texto, a dor maior talvez seja a dor de pedir, muito mais do que a dor que sente pela fome, pelo frio ou pela sede.

Ajudar ao próximo é um dever de todo cristão.

Parabéns pelo post.

Carinhoso e fraterno abraço,
Lilian

Francisco Castro disse...

Olá, Janilton!

A família é o mais sagrado que possa existir. A família merece o respeito de todos, mas infelizmente ela é destruída por pessoas que não têm compromisso com a moral, o respeito e o bem-estar de seus membros. Para uma famílias ser o que deveria ser é necessário que exista amor. A família que é edificada com o amorse torna forte e nunca é destruída e a paz faz morada e se estabelece nela.

Abraços

Francisco Castro

Marcos Mariano disse...

muito profundo
no mundo individualista em que vivemos onde cada um só encherga o proprio umbigo
essa mensagem vem bem a acalhar muito bom

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Emmanuel e André Luiz são dois mestres da doutrina espírita, que nos trazem grandes ensinamentos. Adorei o post.
Um abraço

FrancK P_LavD disse...

Janilton,

Um texto belíssimo de Amor ao próximo!

Vindo de EMMANUEL/ANDRÉ LUIZ já se sabe que a qualidade da mensagem espiritual é sempre elevadíssima, uma lição para todos!

Parabéns por ter escolhido este magnífico texto.

Abraço,.

FrancK

LISON disse...

Saudações!
Que Post Fantástico!
Amigo Janilton, parabenizo-o pela brilhante escolha do tema. Meu prezado, o retrato correto de como deveríamos aceitar os familiares é este. E o mais importante, a Família, devemos Elegê-la como prioridade no assistir, no partilhar e em especial no perdão mútuo sempre.
Parabéns pelo excelente Post!
Abraços fraternos!
LISON.

Principe Encantado disse...

Solidariedade, palavra de ordem, amor no coração.Sensacional o texto amigo.
Abraços forte