Pages

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Quem São Meus Amigos?



Meus amigos têm olhos que brilham quando vêem os
dois pequenos sóis em que se transformam os meus olhos,
quando eu os encontro.

Meus amigos têm mãos que apertam, afagam e tocam;
braços que se estendem amplamente para receber o meu abraço.

Meus amigos não são ingênuos, tolos ou imprudentes.
São apenas desarmados, não ocultam sentimentos nem se calam
quando falar é a necessária e adequada ação.

Meus amigos, quando se expressam, esquecem a retórica impecável
e até mesmo o correto português porque às vezes,
o coração precisa de manifestações acima do vernáculo,
mas repletas de significativas e barulhentas interjeições.

Meus amigos sacam à distância o que para mim é sagrado,
às vezes brigam comigo e eu com eles, mas quando merecidamente me botam "na lona" por uma besteira que eu tenha feito, não desferem nem mais um golpe, de tal sorte que eu possa refazer-me e novamente juntar as mãos para aplaudi-los.

Meus amigos não são apenas impulsos elétricos.
Eles conhecem meu endereço e, muitas vezes,
devido à distância, perdemos um "face a face",
mas nos abraçamos através de um monitor
ou de um amoroso telefonema.

Afinal, quem são meus amigos?

São pessoas plenas de amor, como eu.
Alguns sem raça definida,
outros têm brasões, outros são quatrocentões,
outros parecem com lordes ingleses,
outros carregam complicados sobrenomes alemães,
mas há uma marca em comum:
todos sabem dar-me transparente e sincera afeição.

Haja o que houver, meus amigos jamais me deixam na mão!

                                                                                    
                         Autora: Fátima Irene Pinto

7 comentários:

Rosana Madjarof disse...

Janilton!

A cada dia que passa você me surpreende mais e mais, e ilumina meus dias com seus lindos textos e lindas poesias.

Os amigos leais e verdadeiros não se perdem no tempo e no espaço, permanecem em nossas vidas e seguem nossos passos, mesmo que distantes de nós.

Amigo pode ser real ou virtual, desde que seja leal, companheiro e fiel, pois há mais mistérios entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia (William Shakespeare).

Os amigos podem ter duas pernas, podem ter quatro patas, ou depender de nós para caminhar...

O mais importante é termos esses amigos, e conquistá-los a cada dia um pouquinho mais, assim como você conquista meu coração de amiga e irmã a cada dia, pois o amor deve ser declarado sempre, e não é o amor de um homem e uma mulher, mas de amigos sem sexo, pois amigos são eternos.

E é por isso que eu posso dizer com toda a certeza do meu coração: Janilton, você é um amigo que que aprendo a amar a cada dias mais. (não é para sua mulher ficar com ciúme viu!)rssss

Bjs.

Rosana.

Maria Souza disse...

Eu também tenho meus amigos que procuro injetar doses de atenção, respeito, solidariedade, fé para que se mantenham sempre perto de mim.

Há longos anos esse "remédio" me permite seguir acompanhada por eles.

beijos e está linda essa postagem.

Maria Souza - Porto Alegre - RS

Serenissima disse...

Amigos!
O que seria da nossa vida sem eles...

Belíssimo post!

Abraço carinhoso,
Serenissima

Claudine Ribeiro G. Netto disse...

Olá amigo Janilton, lindo texto, amigo sente quando agente não está bem e tem algum problema, á vezes passamos tempos sem nos falar, mas quando acontece é uma festa. Temos amigos que estão pesentes e também temos os virtuais, estes com certeza também podemos contar com uma palavra amiga. Os presentes e virtuais, cada um com sua maneira de nos alegrar com suas histórias e seus posts emocionantes. Temos também aqueles amigos que sempre estão presentes e quando estamos em casa eles ficam nos seguindo o tempo todo, que são nossos animais de estimação.

Um abraço.

LISON disse...

Saudações!
Amigo Janilton,
Quem são meus amigos?
Até o presente já tenho nove, foram preciso cinqüenta e dois anos para ter a certeza. Os primeiros cinco já faz umas quatro décadas, os quatro, só descobri, quando fui à falência total, fiquei sem eira e nem beira...
O meu amigo, quando passou em frente a alguma fazenda viu algum tronco muito distante, mais muito distante mesmo, pronto era eu.
Eu mesmo, abandonado pelos “amigos da onça”, quase o mato tomou conta de mim, todos esses meus nove amigos iam lá comigo, nos dias de infortúnios, me davam o pão de cada dia, além de medicamentos quando me encontrava muito doente, e também dinheiro, desses nove, o mais humilde é um milionário, não posso escrever o nome dele, mas, estou com uma vontade que você nem imagina.
Assim mesmo, todos os dias eu saia, ficava estudando os movimentos no centro comercial, lia todos os jornais, especialmente as páginas de negócios, sobre os grandes empreendimentos. Não lia notícias ruins, página policial, etc.
As minhas noites foram muito longas, ia tentar entender aprender a ler os ensinamentos dos mestres numa velha bíblia sagrada, ao longo de sete anos ela focou toda riscada, muito pouco entendia depois me recolhia e ia orar.
Hoje, estou envidando esforços para construir mais amigos, afinal os meus nove amigos, estão ficando velho, e preciso fazer mais amigos, afinal ainda sou um garoto de 52 primaveras, algo, me diz que com o avanço da medicina, devo viver mais umas décadas até a transição, até lá possivelmente eu faça pelo menos duas dezenas, e você pode ser realmente o meu mais novo amigo.
Meu novo e estimado, amigo Janilton, Sempre à Frente!
Parabéns pelo lindo Post!
Abraços fraternos,
De seu amigo,
LISON.

disse...

QUE LINDO TEXTO....
Um amigo é, antes de tudo, uma certeza. Seu modo de agir é seguro e sua esperança tranqüiliza. Ele não apenas traz segurança. Ele é um pouco do que somos e, por isso, mesmo, nos assegura que nunca estamos sem apoio. Aliás, ele nunca está longe, nem quando separados por países ou oceanos!

bJ

Principe Encantado disse...

Falar algo mais seria redundância de minha para, lindo texto amigo.
Abraços forte